Quanto custa um deputado?

Sem comentários. Só reflita em quem você vota.

Anúncios

Os legados da Copa da África do Sul e do Brasil

ELEFANTE-BRANCOA Copa está aí. Ela não vai chegar mais já chegou ao “país do futebol”. O que esqueceu de chegar até aqui foi que para se ter uma ótima Copa do Mundo, como cantam os seus organizadores, é preciso deixar legados à população. No África do Sul, última nação iludida pelos seus Governantes e pela FIFA a receber a copa, o legado não veio.

A expressão “Elefante Branco” nunca fez tanto sentido aquele povo como faz a nós, brasileiros hoje. Estádios monumentais em um país em que o futebol não é o seu maior esporte. Comunidades removidas das proximidades por serem pobres e nada mais. A Copa do Mundo na África deveria ter ensinado ao Brasil como fazer um Copa que realmente fosse do povo e para o povo.

O que vemos na ruas hoje amedronta os turistas e poderosa FIFA.

Estamos vendo ídolos do futebol tentarem reverter às criticas populares com mais aneiras do que soluções. Ronaldo afirmou que “Copa não faz com hospitais”. A resposta veio imediatamente nas redes sociais.

999679_507917862615148_1704136462_n

Pelé, o Rei, abriu a boca para pedir ao povo que esqueçam essas “coisas” e apoiemos a seleção. O povo apoia a seleção “sua majestade”, mas o povo não é otário.

Agora veio outro ídolo, da copa de 94, Bebeto falar besteiras. Disse que “esperava todos unidos para fazermos a melhor copa de todos os tempos”. Estamos unidos sim. Para fazermos o melhor Brasil de todos os tempos.

Podemos até gritar gol nos dias de jogos da seleção. Podemos receber os gringos bem, como nos pediu a presidenta. Podemos deixar de ir as ruas um dia ou outro. Só que não.

Não iremos receber os gringos bem, porque não temos casa, hospitais, transporte público de qualidade e etc. Não podemos deixar de ir às ruas porque é por meio delas que estamos forçando nossos servidores – políticos –  a trabalhar em nosso benefício. Nossa simpatia não vai mudar. Mas é ruim receber as pessoas sem pode lhes oferecer um cafezinho. Não acham?

Que os gringos não precisem de hospitais, pois não tem.

Enfim, faremos a melhor Copa do Mundo de todos os tempos. Não bela beleza dos gols, as vitórias do Brasil, pela simpatia dos brasileiros, ou ainda pelo carnaval que sempre fazemos nestas horas. Mas teremos a melhor Copa do Mundo pelo legado que deixamos ao mundo: o povo é quem manda em seus políticos, basta ele querer. Nós brasileiros queremos.

Que a história abaixo não seja nosso legado.

Imagina na Copa….

1001773_477815622304994_1641215359_nMuitos ainda fazem previsões para o que vai e não vai acontecer na Copa do Mundo. Uma empresa pegou essa “sacada” dos brasileiros e pôs nas publicidades. Outros usam para aspecto negativo e outros para o positivo. Fato, é que já não imagino mais “na Copa”. Estamos nela.

Está certo que é a Copa das Confederações e não a do mundo. No entanto, é valido lembrar que já estamos na Copa há muito tempo. Não imagino mais os aeroportos cheios e caóticos, as avenidas intransitáveis e por consequência a mobilidade negativada ou inexistentes em nosso país.

Não imagino na Copa, mas agora. O que nós temos de benéficos hoje? Afinal, na Copa nada será problema para a gente, pois os polícias e Exercito estarão nas ruas para nos conter. Isso mesmo. As forças, que são pagas com o nosso dinheiro, estarão à disposição para nos conter em nossas manifestações, opiniões e até transporte de vinagre ou do que eles entenderem como ameaça.

Nós, brasileiros, devemos deixar de sermos otários. Cunhados em meio à república de circo, por que o pão com a inflação também não está dando para o dia a dia. República de circo que nos impõe várias coisas e não importa com a realidade local de seu povo.

Há pouco, o governo “emprestou” um dinheiro a Cuba. Não sou socialista, não sou comunista, não sou de direita e muito menos capitalista. Sou do que é certo. Diante isso eu me questiono como nosso país carente em tantas coisas pode emprestar dinheiro aos vizinhos? Aos “amigos”?

379629_563767623666334_1981517824_n

Imagina na Copa? Não. Não imagino na Copa e muito menos nas Olimpíadas. Eu vivencio a realidade das filas do SUS, do INSS, do sistema prisional decaído – mas que tem espaço para protestantes contra aumentos e caprichos de governos como é o caso dos paulistas e tantos outros -, das escolas destruídas, do salário fuleiro dos professores, das cotas quando na verdade tínhamos de ter educação de qualidade em todos os níveis. Escola publica para o publico, o povo.

Vivo a realidade de não tapar o sol com a peneira. É melhor bronzear nele sem ela ou ficaremos quadriculados. Cheios de esperança por uma falsa sombra de benefícios.

Imagina agora nas eleições. Você votando com consciência. Escolhendo candidato ficha limpa. Candidatos qualificados. Pessoas de bem. Políticos que realmente fazem política. Políticos que entendem o que é e para que serve um vereador, um prefeito, um deputado , governador e presidente.

Bastilhas tem cair em nossa sociedade atual. A primeira deve ser nosso ignorância política e cidadã. Depois as outras serão dilaceradas.

Lembro aqui o Papa Francisco, ainda em lua de mel com a Igreja e o mundo, ao falar recentemente que a política só está essa merda – lógico que ele não disse assim –porque os cristãos – maioria neste país – não entraram na política como se deveria, com verdade e justiça. Sendo cristãos de fato. Muito ao contrário meus amigos. Eles entraram de cabeça no lamaçal.  Se porcos e adoram a “lavagem” alimentícia da corrupção.

Que o gigante realmente acorde e permaneça acordado. Espero que ele não esteja apenas levantando, coçando o saco, apreciando a paisagem e em 2014 volte sorrateiramente para a cama.

970745_470352106381408_407687779_n

Por Marquione Ban

O Lula, o Serra e o Guarda-roupas.

Em meu curto tempo de ócio na minha sala de Lula, Serra e DilmaTV, tive uma idéia – acendeu sobre minha cachola uma luz. Foi ai que acordei. Era meu irmão ligando, literalmente, a lâmpada – mas a idéia continuou. Estava naquele belo momento vendo a nova programação de filmes da excelentíssima Rede Globo de Televisão, quando vi o anuncio do filme – que por sinal é muito bom – As Crônicas de Nárnia. O Leão, a Feiticeira e Guarda-roupas.

Nesse lindo momento Flaner, lembrei-me de meu amado Presidente Lula – voto nele quantas vezes eu puder – seu arquiinimigo Serra – montanha áspera – e da possível sucessora Dilma – do qual não ouso escrever seu sobrenome sem consultar os jornais antes.

No filme há uma briga para que Nárnia volte a ser dominada pela forças do bem e a feiticeira seja derrotada. O guarda-roupa é o local de passagem dos heróis para essa Terra desconhecida e mística. Característica essa que cabe ao nosso Brasil. Terra de misticismos sempre presentes e atuantes. Temos castelos, gatas borralheiras que depois pousam nuas, fantasmas e laranjas falantes, magos deputados e senadores que escapam da cassação majestosamente e não posso esquecer do exercito de mulheres frutas – tenho comiseração.

Aqui nesta Terra de Vera Cruz, a situação é inversa – pelo menos pra mim. O mal quer voltar ao poder e maquiar nossa economia novamente. Serra (Feiticeira) tenta voltar ao poder dessa Nação. Lula, o Leão, o combate com seus planos sociais. Levará a melhor primeiro quem descobrir o guarda-roupas por onde entra os heróis.

Para nosso Leão, Dilma é a futura sucessora de seu trono. Os Feiticeiros atacam-na dizendo que é terrorista e ex-assaltante de bancos.

Até onde iremos nessa batalha? Até 2010 quando haverá eleição. Enquanto isso o Leão e o Feiticeiro ainda não descobriram o guarda-roupas. Afinal é de lá que sairá o vencedor. Apesar que um Príncipe Caspian está surgindo – Aécio Neves.

 

Marquione Ban