Crônica de um “busonauta”

No ônibus outra cena singular.

Razoavelmente vazio, na linha que liga o Centro ao bairro Bethânia, Ipatinga-MG, especificamente, de número 604, via Rua Argel, toca o telefone. Um som, não ensurdecedor, mas digno de chamar a atenção de todos. A usuária, uma senhora, atende e como cantores de igreja, tapa o outro ouvido para ter um melhor retorno da chamada. O volume era alto a ponto de ouvirmos as palavras de quem estava do outro lado da linha. De repente ela solta sua voz. Um voz estridente, mas com dicção falha. Diz ela:

– Sabe os documentos que me pediram na prefeitura? São um monte. Tudo isso para dizer que meu lote é urbano ou interurbano. Veja se pode isso? Já resolvi. Agora é só a moça dizer se ele é urbano ou interurbano.

Ainda conversando ela dá sinal. Desce. E continua sua saga comunicacional. Seguimos em silêncio o resto do trajeto.

Por Marquione Ban

Anúncios

Cinco coisas para não fazer quando viajar de ônibus

Parece estranho escrever sobre isso, mas não é. Afinal, as pessoas pensam que sabem o que fazer e não fazer ao viajar. “Sabem de nada inocentes!”. Elas não só não sabem, como pensam ser corretas as atitudes que praticam na hora da viagem.

Tenho ido toda semana para Belo Horizonte, onde curso minha pós em Marketing Digital e Mídias Sociais, e tenho uma coleção de histórias e maluquices coletadas ao longo de 4 a 6 horas de BR 381. Em um volta de BH para minha cidade, Ipatinga-MG, conversando com uma amiga veio a ideia de escrever sobre isso.

São apenas cinco situações. Tem até mais. Mas se as pessoas assimilarem essas, euficarei muito feliz.

Vejam as dicas:

  1. Nunca, nunca mesmo, mas nunca vomite na janela.

Para quem não conhece, eis o saco de vômito.

Para quem não conhece, eis o saco de vômito.

É um ato porco, ridículo e etc. Estava eu tranquilo em minha poltrona com a janela aberta, pois a Presidente, empresa que faz o trajeto, não coloca em todos os horários linhas com ar-condicionado, quando de repente algo começa a surgir no vidro. Minha sorte que a janela estava um pouco aberta. Cerca de alguns centímetros e com a cortina no local da abertura. Imediatamente a fechei. Uma mal educada, que não conhece saco de vômito, expeliu seu café da manhã tomado na péssima cantina da rodoviária.

Gente, pelo amor de Deus! Existem sacos de vômitos e sacolas por aí. Sem contar no banheiro do bus. Vai lá. Não dói. Mas nunca, nunca mesmo, faça isso na janela.

  1. Não ligue o celular em rádios ou naquela sua playlist favorita. Ela não é minha escolha ou dos outros

Pelo amor de Deus, se você pretende ouvir música durante sua viagem adquira uma invenção mega moderna chamada “fone”. Ela é super prática e deixa as pessoas ao seu lado protegidas de seu “maravilhoso gosto musical”.

Use fone. Use fone. Use fone. Use fone.......

Use fone. Use fone. Use fone. Use fone…….

  1. Não pense que a poltrona é cama.

Reclinar a poltrona para uma boa viagem é bem legal, mas achar que ela é uma cama não. Seja gentil, ao reclinar a poltrona olhe para traz, veja o indivíduo que está ali e pense o quanto suas pernas podem ficar espremidas. Afinal, ele pode não ter reclinado a dele. Ou ser muito alto. Ou apenas querer espaço. Tem mais, viagens, mesmo as longas, não lhe dão direito de sanar o espaço alheio, o valor das passagens foram iguais. Ah, e ao levantar nas paradas, lembre-se de voltar às poltronas para o lugar, o ser que senta atrás de você também precisa descer.

Sempre pense na pessoa na poltrona detrás.

Sempre pense na pessoa na poltrona detrás.

  1. Mantenha as crianças no lugar

Amo crianças. Elas são espontâneas e nos fazem rir mesmo com raiva. Contudo, em um ônibus, as prenda. Não deixem sair do lugar. Muito mesmo chutar as poltronas. Isso incomoda. Agora, tem uma coisa que não entra na minha cabeça, vai viajar com crianças compre uma poltrona para ela. Nunca as leve no colo. Se  acontecer algum acidente elas estão desprotegidas, sem falar que não deve ser nada confortável para ela viajar no colo.

  1. “Farofa” no ônibus: nunca leve

Farofeiros não.

Farofeiros não.

Quando eu era criança, lembro de minha vovó indo a São Paulo e minha mãe fazendo um lanhe para ela. Neste caso, frango frito e café. Gente, isso tem cerca de 20 anos ou mais.  Naquele tempo, era muito comum as pessoas fazerem isso. Principalmente as pessoas da roça. Hoje os tempos são outros. Ninguém mais faz isso. Ao menos pensava assim. Sai o frango frito e entra a porcaria de chips de queijo com cebola. Puta que Pariu, isso fede o ônibus todo e causa aquela vontade de jogar tudo para fora. Gente há coisas melhores para fazer a “farofa no bus”. Levem biscoitos de polvilho, biscoitos recheados, mas essa porcaria de chips de queijo com bacon e cebola NÃO.

Bônus

Não é uma mega dica, mas uma questão de educação. Ao falar no celular dentro do bus, não grite. Eu não quero ouvir sua conversa e nem preciso saber aonde vai e o que vai fazer. Pior ainda, não preciso ouvir seu sermão sobre casamentos, religião, trabalho e etc. Pessoas em viajem estão em viajem. Ligue se for necessário. Leia durante a viagem, ouça músicas (com o fone), medite, mas não grite ao celular.

Poderia escrever aqui uma infinidade de situações e dicas, mas peço apenas que as pessoas se orientem pelo bom senso, educação e respeito. Qual a sua dica ou indignação na hora de viajar? Comente.